Metodologia da Pesquisa em Direito II

Docentes: 
Osny da Silva Filho
Ementa: 

Trata-se de curso de metodologia jurídica, destinado a desenvolver nos participantes capacidades argumentativas e explanatórias minimamente sofisticadas. Ainda que boa parte dos conhecimentos transmitidos no curso se destine a diversas atividades práticas e acadêmicas, a metodologia de trabalhos científicos em direito ocupará parte significativa do curso, servindo-lhe de fio condutor. Nem por isso deixarão de ser abordadas outras espécies de atividades teórico-práticas do mundo jurídico.

OBJETIVOS PEDAGÓGICOS
Competências
(i). Capacitar os alunos a identificar boas e más características metodológicas das diversas espécies de literatura jurídica (decisões judiciais, arrazoados forenses, trabalhos científicos etc.).
(ii). Capacitar os alunos a produzir projetos de pesquisa, artigos científicos e relatórios de pesquisa concordantes com os padrões de qualidade vigentes na comunidade científica.
(iii). Habilitar os alunos a não cometer os erros e nem repetir os vícios mais comumente encontrados em trabalhos jurídicos, práticos ou acadêmicos.

Habilidades
(i). Produzir argumentos jurídicos que respeitem padrões de correção formal e plausibilidade;
(ii). Produzir trabalhos científicos que cumpram padrões satisfatórios de correção formal e qualidade substantiva.
(iii). Identificar equívocos metodológicos comuns na literatura jurídica.

REFERÊNCIAS OBRIGATÓRIAS
ECO, Umberto. 2006. Como se faz uma tese. São Paulo: Perspectiva, 2006
LOPES, J. R. L. 1989. Hermenêutica e completude do ordenamento jurídico. Revista de Informação Legislativa, v.26, nº 104, p. 237-246, Out./Dez. 1989. Disponível em: <http://www2.senado.gov.br/bdsf/item/id/181976>. Acesso em: 20 dez. 2013.
MACCORMICK, N. Law as Institutional Fact. In: ed. MACCORMICK, N.; WEINBERGER, O. An Institutional Theory of Law. New Approaches to Legal Positivism, 49-76. Dordrecht: Reidel, 1986
POSNER, Richard A. The Little Book of Plagiarism. New York: Pantheon, 2007.
QUEIROZ, R. M. R.; FEFERBAUM, Marina. Metodologia jurídica: um roteiro prático para trabalhos de conclusão de curso. São Paulo: Saraiva, 2012.


REFERÊNCIAS COMPLEMENTARES
BACHELARD, G. A formação do espírito científico. Rio de Janeiro: Contraponto, 1996.
BARZOTTO, Luis Fernando. Justiça social: gênese, estrutura e aplicação de um conceito. Direito e Justiça. Revista da Faculdade de Direito da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, v. 25, n. 28, p. 109-46, Mai. 2003. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/revista/Rev_48/artigos/ART_LUIS.htm> Acesso em: 20 dez. 2013.
BOOTH, W. et alli. The Craft of Research. 3.ed. Chicago: University of Chicago Press, 2008.
CONLEY, John M.; O'BARR William M. Legal Anthropology Comes Home: A Brief History of the Ethnographic Study of Law. Los Angeles: L. Rev. 41, 1993. Disponível em: <http://digitalcommons.lmu.edu/llr/vol27/iss1/4>. Acesso em: 20 dez. 2013.
DAWSON, T. Brettel. Legal Research in a Social Science Setting: The Problem of Method. Dalhousie Law Journal, Vol. 14, Issue 3, Halifax, 1992. Disponível em: <http://heinonline.org/HOL/Page?handle=hein.journals/dalholwj14&g_sent=1&collection=journals445&id=3>. Acesso em: 20 dez. 2013.
ECO, Umberto. Como se faz uma tese em ciências humanas. Portugal: Editorial Presença, 2007.
ENGEL, Christoph, Behavioral Law and Economics: Empirical Methods. MPI Collective Goods Preprint, n. 2013/1, 2003. Disponível em: <http://ssrn.com/abstract=2207921> ou <http://dx.doi.org/10.2139/ssrn.2207921>. Acesso em: 20 dez. 2013.
FISCHMAN, Joshua B. Reuniting 'Is' and 'Ought' in Empirical Legal Scholarship. University of Pennsylvania Law Review, n. 14-15, 2013. Disponível em: <http://ssrn.com/abstract=2422168>. Acessado em: 20 dez. 2013.
FISK, Catherine; GORDON, Robert W. Foreword: 'Law as . . .': Theory and Method in Legal History. UCI Law Review, v. 1, n. 3, 2011. Disponível em: <http://ssrn.com/abstract=2066039> ou <http://dx.doi.org/10.2139/ssrn.2066039>. Acesso em: 20 dez. 2013.
LANGLINAIS, Alex; LEITER, Brian, The Methodology of Legal Philosophy. In: H. CAPPELEN, T. GENDLER, & J. HAWTHORNE (eds.). Oxford Handbook of Philosophical Methodology. Public Law Working Paper, n. 407, 2013. Disponível em: <http://ssrn.com/abstract=2167498>. Acesso em: 20 dez. 2013.
LEITE, E. A Monografia Jurídica. São Paulo: RT, 2003.
NOBRE, M. Apontamentos sobre a pesquisa em direito no Brasil. Cadernos DIREITO GV, n. 1, p. 3-19, Set. 2004. Disponível em: <http://bibliotecadigital.fgv.br/dspace/bitstream/handle/10438/2779/Pesquisa_Direito_Cadernos_Direito_GV.pdf?sequence=1>. Acesso em: 20 dez. 2013.
OLSON, Greta; KAYMAN, Martin. From ‘Law-and-Literature’ to ‘Law, Literature and Language: A Comparative Approach’. European Journal of English Studies, v. 11, n. 1, p. 1-15, 2007.
SECUNDA, Paul M. Cultural Cognition Insights into Judicial Decisionmaking in Employee Benefits Cases. American University Labor & Employment Law Forum, v. 3, Issue 1, 2013. Disponível em: <http://ssrn.com/abstract=2139205>. Acesso em: 20 dez. 2013.
WHITTINGTON, Keith E. Critical Concepts in Political Science. Abingdon, Oxon [UK]; Nova York: Routledge, 2013.
ZUMBANSEN, Peer. Sociological Jurisprudence 2.0: Updating Law's Interdisciplinarity in a Global Context. Research Paper Number, n. 31, 2013. Disponível em: <http://digitalcommons.osgoode.yorku.ca/clpe/277/>. Acessado em: 20 dez. 2013.

Portal FGVENG

Escolas FGV

Acompanhe na rede