GDHeE e APP Cívico realizam Hackaprothon para desenvolver aplicativo

03/03/2017[Atualizado em: 17/04/2017 - 09:17]
hACKA


O Grupo de Direitos Humanos e Empresas (GDHeE) da FGV Direito SP, em parceria com a APP Cívico, realiza no dia 6 de março uma Hackaprothon. O encontro é uma das etapas de um projeto de pesquisa jurídica aplicada em andamento na FGV Direito SP. O projeto criará um sistema de escuta e monitoramento de riscos e impactos de obras e empreendimentos nos direitos das comunidades locais, uma das temáticas de pesquisa do GDHeE, e inclui o desenvolvimento de um aplicativo e plataforma digital de indicadores.

Hackaprothon é um processo destinado a encontrar soluções para detalhes críticos da construção de projetos baseados em tecnologia, que envolve profissionais de TI, mas também os demais atores envolvidos. A dinâmica é baseada em Design Thinking e influenciado pela Teoria U e pela teoria Jobs to Be Done, que têm como resultados o entrosamento entre os envolvidos e o alinhamento dos objetivos do projeto.

Participarão do Hackaprothon a equipe de pesquisadores do GDHeE e do APP Cívico, desenvolvedora do aplicativo e da plataforma digital de indicadores em construção, além do parceiro Centro de Estudos em Administração Pública e Governos (CEAPG) da FGV, e convidados, como Fórum Suape, Conectas, Business and Human Rights Resource Center, Instituto Pólis e Avina.

Além do Hackaprothon, o projeto prevê três aplicações piloto, uma na região Amazônica, outra em área de Mata Atlântica e uma terceira na cidade de São Paulo.

De acordo com Flávia Scabin, coordenadora do GDHeE, a pesquisa pretende contribuir para a criação de instrumento de escuta e monitoramento que possa pautar a atuação das empresas e dos governos em obras de infraestrutura, minimizando os impactos em populações locais e promovendo o respeito pelos direitos humanos. “Em 2011 o Brasil adotou os princípios da ONU sobre direitos humanos e empresas e isso resignificou o que se espera das empresas em relação aos direitos humanos”, diz. Segundo ela, o que mudou é que, agora, também se espera que as empresas enfrentem os impactos negativos de suas operações em relação às suas cadeias e entornos. E isso, afirma, demanda novas políticas públicas de controle e incentivo para os negócios, assim como novas formas de gestão e controle de impactos pelas empresas e novos instrumentos que garantam o engajamento de atores envolvidos e a participação da comunidade local.

Post new comment

The content of this field is kept private and will not be shown publicly.
Image CAPTCHA
Enter the characters shown in the image.
To prevent automated spam submissions leave this field empty.

                                                                                                                                                                 

Educação Executiva Presencial, Customizada e a Distância

                                                                                                                                                70 Anos FGV            FGV Notícias         FGV News