Human Rights

Docentes: 
Oscar Vilhena Vieira
Ementa: 

A idéia de que as pessoas são sujeitos de direitos tornou-se um elemento estruturante da própria noção de modernidade. O objetivo geral deste curso é introduzir o leitor ao intenso debate em torno dos direitos fundamentais que vem tomando lugar no Supremo Tribunal Federal, a partir da promulgação da Constituição de 1988. Como documento reativo, tanto a um passado imediato marcado pelo arbítrio e pela violência de Estado, quanto a uma história mais longa de desigualdade e hierarquização que permeia a sociedade brasileira, nossa Constituição reconheceu um amplo catálogo de direitos. Trata-se de um documento generoso, que articula perspectivas políticas distintas. Sensivelmente liberal, ao reservar direitos civis contra o Estado, é altamente dirigista ao determinar ao Estado e a própria comunidade sólidas obrigações correlatas aos direitos de natureza social. Reconhece direitos políticos típicos de uma democracia representativa, mas também alarga os direitos de cidadania para uma participação direta e mais ampla. Por fim incorpora uma nova gama de direitos a grupos vulneráveis, assim como se propõe a realizar um pacto inter-geracional, ao assegurar direitos ao meio ambiente e à preservação do patrimônio histórico  e cultural.
Esta ampla generosidade e vastidão no reconhecimento de direitos fundamentais cria necessariamente tensão entre estes mesmos direitos, no momento de sua implementação. Ao Supremo Tribunal Federal cumpre, em muitas circunstâncias, resolver estas colisões. Daí ser a sua jurisprudência um instrumento indispensável a todos aqueles que querem compreender a vida dos direitos no Brasil. Com isto não queremos passar a idéia que a jurisprudência do Supremo Tribunal Federal seja a única fonte relevante para compreender nossa gramática de direitos, mas é certamente uma fonte indispensável.
O que se pretende no curso é favorecer o fortalecimento das habilidades do leitor na conjugação da gramática dos direitos, especificamente dos direitos fundamentais, nas suas dimensões jurídica, moral, política e econômica. Embora advogados, juízes e outros profissionais do direito constantemente façam referência às leis, aos códigos e à Constituição como matéria prima de seu trabalho, o que estamos todos normalmente procurando compreender é se uma pessoa (física ou jurídica) tem ou não tem um direito, qual a exata dimensão deste direito e as obrigações dele derivadas. Nesse sentido, os direitos subjetivos constituem elementos essenciais ao funcionamento do sistema jurídico.
Os direitos, no entanto, não são facilmente detectáveis pelo simples estudo das normas ou dos enunciados normativos. Estes enunciados estabelecem, antes de tudo, razões para a conformação de direitos. Para capturar o sentido e a dimensão de um direito fundamental específico é necessário ao profissional do direito engajar-se num processo concreto de argumentação, que envolve a interpretação sistemática das normas relevantes, uma avaliação da situação de fato e a ponderação ou balanceamento de valores, imposta pela elevada carga moral inerente aos direitos fundamentais.
A escolha da jurisprudência como fonte deste trabalho deu-se por diversas razões. Em primeiro lugar, porque acreditamos que o estudo da jurisprudência favorece a compreensão dos diversos problemas teóricos e práticos que a que a realização dos direitos fundamentais impõe. Neste sentido, acreditamos que seja um instrumento mais efetivo do que as grandes narrativas teóricas para introduzir o leitor ao mundo dos direitos fundamentais. Em segundo lugar, a jurisprudência do Supremo Tribunal Federal contém uma enorme riqueza temática e diversidade argumentativa. A escolha recai, em sua maior parte, também sobre a jurisprudência do Tribunal pela sua posição institucional. Como órgão de cúpula do nosso sistema constitucional, é responsável por dar a última palavra em temas de direitos fundamentais. Cumpre destacar, ainda, que a linguagem empregada pelos ministros do STF é normalmente mais acessível do que aquela empregada por magistrados de instâncias inferiores (o que se dá, em grande medida, pela sua composição menos técnico-burocrática).
Os acórdãos do Supremo Tribunal Federal foram escolhidos e editados pelo professor e sua equipe a partir de dois critérios. O primeiro deles se refere à relevância do tema. Ao invés de se buscar exaurir todas as questões pertinentes aos direitos fundamentais, buscou-se detectar as questões mais complexas, que bem apreendidas pelo leitor, habilitá-lo-ão a enfrentar os mais diversos problemas no campo dos direitos. Assim, nosso objetivo pedagógico não é enciclopédico, mas, antes de tudo, voltado à melhor capacitar o leitor a operar no campo dos direitos fundamentais, pelo domínio das diversas estruturas de raciocínio jurídico. O segundo critério para escolha dos acórdãos diz respeito à qualidade do debate realizado no Supremo Tribunal Federal, não apenas do ponto de vista jurídico, mas especialmente da perspectiva educacional. O que se espera é que os leitores, ao final do curso, sejam capazes de resolver questões complexas de direitos fundamentais, que envolvam não apenas conflitos de normas jurídicas, mas especialmente colisão de princípios morais, políticos e econômicos, inerentes à conjugação da gramática dos direitos fundamentais.

Bibliografia: 

REFERÊNCIAS:
Referências Obrigatórias
VIEIRA, Oscar Vilhena. Direitos Fundamentais: uma leitura da jurisprudência do STF. São Paulo: Malheiros Editores, 2006
SILVA, Virgílio Afonso da. Direitos fundamentais: conteúdo essencial, restrições e eficácia. São Paulo: Malheiros, 2009. 280 p.
HUNT, Lynn. A Invenção dos Direitos Humanos: uma história, Cia das Letras.
CARVALHO, José Murilo de. Cidadania no Brasil: o longo caminho. Civilização Brasileira.
Referências Complementares
ALEXY, Robert: Teoría de los Derechos Fundamentales. Madrid: Centro de Estudios Constitucionales.
BERLIN, Isaiah. Quatro Ensaios sobra a Liberdade. Brasília: UNB
DWORKIN, Ronald. Levando os Direitos a Sério. São Paulo: Martins Fontes.
ELY, John Hart. Democracy and Distrust. Cambridge: Harvard University Press.
ENTERRIA. Eduardo Garcia. La Lengua de Los Derechos. Madrid: Alianza Editorial.
FLETCHER, George P. Basic Concepts of Legal Thought, New York: Oxford University Press, 1996.
HABERMAS, Jürgen. Direito e Democracia: entre facticidade e validade. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro.
HABERMAS, Jürgen. A Inclusão do Outro: estudos de teoria política. São Paulo: Loyola
HOLMES, S. SUNSTEIN, C. The Cost of Rights: why liberty depends on taxes. New York: WW Norton & Co.
KYMLICKA, W. The Rights of Minority Cultures. Oxford: Oxford University Press.
NINO, Carlos Santiago. Ética e Derechos Humanos: um ensayo de fundamentación. Buenos Aires: Astrea de Alfredo y Ricardo Depalma.
NAGEL, Thomas. Equality and Partiality. Oxford: Oxford University press, 1991.
NERY JUNIOR, Nelson. Princípios do Processo Civil na Constituição Federal. Revista dos Tribunais, 2002.
NOZICK, R. Anarchy, State, and Utopia. New York: Basic Books.
POSNER, Richard. Overcoming Law. Cambridge: Harvard University Press, 1995.
RAWLS, John. A Theory of Justice. Cambridge, Mass.: Harvard University Press.
RAZ, Joseph. The Morality of Freedom, Oxford: Oxford University Press.
SARMENTO, Daniel. Direitos Fundamentais e Relações Privadas. Rio de Janeiro: Lumen Iuris.
SEN, Amartya. Inequality Reexamined. New York: Russell Sage Fundation.
SEN, Amartya. Development as Freedom. New York: Alfred A. Knopf.
TEUBNER, Günther. “Altera pars Audiatur: law in the collision of discourses”, in Law, Society, and Economy. Oxford: The Clarendon Press.
VIEIRA, Oscar Vilhena. A Constituição e sua Reserva de Justiça. São Paulo: Malheiros, 1999.

Portal FGVENG

Escolas FGV

Acompanhe na rede