A compensação ambiental prevista pelo Sistema Nacional de Unidades de Conservação (SNUC): a ADI N. 3.378 e o Decreto n. 6.848/09

Autor: 
José Marcos Domingues e Júlia Silva Araújo Carneiro
Resumo (abstract): 

Otrabalho traça a trajetória da compensação ambiental instituída pela lei do sistema nacional de unidades de conservação (SNUC), da sua criação, passando pelo julgamento do supremo tribunal federal na ADI nº 3.378/DF (que a julgou parcialmente inconstitucional, com redução de texto), até a última regulamentação da matéria pelo poder executivo (decreto nº 6.848, de 2009), pretensamente em consonância com a decisão da corte. Da análise deste decreto, depreende-se que foram previstos critérios para o cálculo da compensação ambiental os quais, na verdade, retomam a noção de percentual e vínculo ao custo do empreendimento impactante, em afronta à decisão proferida pelo STF, configurando violação à separação de poderes. Por outro lado, a nova redação do art. 31 do regulamento anterior, introduzida pelo decreto citado, prevê a competência do Ibama, órgão federal de licenciamento ambiental, para a fixação do valor da compensação, daí se deduzindo que apenas aos empreendimentos sujeitos a licenciamento pelo Ibama, no exercício de competência federal exclusiva, poderá ser aplicada a compensação ambiental. Em síntese, este ensaio analisa as inovações trazidas pelo decreto nº 6.848/09, assim como sustenta a natureza tributária da compensação SNUC, ainda não debatida pelo STF, mas que não deve ser olvidada.

Post new comment

The content of this field is kept private and will not be shown publicly.
Image CAPTCHA
Enter the characters shown in the image.
To prevent automated spam submissions leave this field empty.

Portal FGVENG

Escolas FGV

Acompanhe na rede